terça-feira, 27 de outubro de 2009

MOVIMENTO DA ESCOLA NOVA

Lendo sobre os principais integrantes do movimento da Escola Nova (Ovide Decroly,Célestin Freinet,Maria Montessori e John Dewey),os quais fizeram uma profunda crítica a escola tradicional, percebo que muitas coisas que fizemos é um pouco do discurso de cada um, disposição em grupos na sala, passeios para observação do meio ambiente, conversação com os alunos, centros de interesses, tudo isto já foi pensado há muito tempo atrás, mas parece algo recente, pois quando eu estudava nas séries iniciais não me lembro de realizar muitos passeios, trabalhos em grupos, lembro–me de provas, ditado, compreensão de textos com muitas perguntas, aulas mais tradicionais. E estes pensadores já falavam em uma Escola Nova, desde o século XIX para o XX. Os escolanovistas procuraram criar formas de organização do ensino que tivessem as seguintes características: a globalização, o interesse imediato do aluno, a participação dos alunos e da comunidade, uma reorganização da didática e do espaço da sala de aula. Nestas experiências vamos encontrar vários tipos de caminhos como: as unidades didáticas, os centros de interesse e os projetos. Como já coloquei na postagem anterior com os alunos de currículo é mais fácil, trabalhar com um mesmo projeto, com os alunos de área é mais complicado, por isso os professores ainda continuam trabalhando separados apesar de há tanto tempo já haver pesquisas sobre a importância de um trabalho mais integrado, voltado para as necessidades dos educandos. Acredito que o estilo tradicional está ainda muito enraizado, como coloquei no tempo em que eu estudava até a oitava série já havia estas pesquisas, mas pouco era aplicada, ainda hoje tem muito tradicionalismo nas escolas. Em minha sala de aula sempre que possível trabalho em grupo (neste semestre não aconteceu nenhum trabalho em grupo por causa da gripe A), questiono muito os alunos, tento trazer a realidade para a sala de aula. Recebemos toda a segunda feira o jornal NH, a partir do jornal trazemos alguns assuntos que interessam mais para eles, só que alguns levam o jornal para casa e não lêem nada, talvez é pela falta de hábito de seus pais.Mas não devemos desanimar e procurar sempre o melhor para os nossos educandos, porque o pouco que algumas pessoas sabem aprenderam nas escolas.
Bibliografia:
Textos:
*John Dewey – O pensador que levou a prática para a escola
*Ovide Decroly – O primeiro a tratar o saber como um só
*Célestin Freinet – O mestre do trabalho e do bom senso
*Maria Montessori – A médica que valorizou o aluno

Um comentário:

Simone disse...

Legal a postagem Silvia! Integras uma discussão das idéias dos pensadores com o que percebes da educação atual. Abração